TopAd-Desk
TopAd-Mob
Início Opinião Coluna | Só um adendo | Conte até três

Coluna | Só um adendo | Conte até três


Nunca fui muito fã de matemática. Na verdade, até apreciava a milenar ciência dos números quando a tabuada era a maior conquista que eu podia obter. Com o alcance de minha memória e auxílio dos dedos da mão, rapidamente chegava a um resultado lógico e final. Mas então o alfabeto foi se intrometer onde não era chamado. Além das letras penetras, chegaram de repente Bháskara, Pitágoras e seus amigos: progressões aritméticas, geométricas, ângulos, Seno irmão de Cosseno primo da Tangente, todos filhos da hipotenusa. Afinal, não era só achar o valor de “x”? 

Apesar de meu desentendimento com tal transformação da boa e velha matemática, reconheço a importância dos números em nossa vivência. Mais do que isso, admiro de forma sincera a beleza por detrás das representações numerológicas. A começar pelas incontáveis coincidências que estão à nossa volta e o estranho prazer que sentimos ao encontrá-las. Gosto de contar, até mesmo à que nunca perguntou, que sou fruto de uma singular sequência de números: avô, filho e neto nascidos no dia 13 de maio. Essa inusitada herança numeral faz parte de quem sou e cá estou: um confesso observador de números. 

Quase como um hobby inusual, me vejo a contar degraus de escadas, passadas pela calçada e uma mania completamente ilógica com o volume do televisor (múltiplos de cinco reinam). Se eu disser que realmente vibro quando vejo horas ou datas iguais, vai achar estranho? Nem me peça então o porquê que aprecio tanto o horário 12h34min. 

Cheio de manias, minha relação com os números se estreita com elas: intermináveis listas, tops e tabelas sobre qualquer temática que aprecio, o que inclui seguidamente meus filmes. Digo meus, pois no fim das contas a escolha é minha e, mesmo sem cálculos, eu nunca facilito minha vida. Mas a resposta dessa equação estava mais próxima do que pensei. Afinal, qual seria melhor união de números e filmes do que as consagradas trilogias? 

Penso muito sobre o número três. É o único numeral que possui a quantidade de soma de seus predecessores. É o número da contagem regressiva, é o pódio, a santíssima trindade. Somos regidos em tríades: manhã, tarde e noite representam o começo, meio e fim de um dia que pode ser passado, presente ou futuro. Portanto, a escolha não poderia ser diferente. Um trio de trilogias compostas de três produções impecáveis que totalizam nove indicações cinéfilas. Que foi? Eu disse que sabia ao menos a tabuada.

Trilogia Before:

Toda história de amor possui três atos? Richard Linklater, diretor desta singela trilogia, precisou de quase duas décadas para contar essa. O enredo acompanha o casal protagonista, interpretado brilhantemente por Ethan Hawke e Julie Delpy, em sua jornada pelo sentimento do amor. É a história de uma paixão e de seu amadurecimento, que aqui é mostrado de forma literal em cena. A decisão de tornar visceral o passar dos anos, torna a experiência ainda mais imersiva. Sentimos junto com o casal o peso dos anos, sendo preenchidos pela mesma nostalgia das memórias de quem um dia eles foram.

Os filmes se passam em três décadas diferentes, com o primeiro ato sendo lançado em 1995. Antes do Amanhecer, mostra como ambos se conhecem e, por capricho do acaso, se apaixonam perdidamente nas escassas horas que possuíam juntos. O tempo voa para os jovens enamorados e também para o público que, encantados pelas ruas de Viena, deixam-se vagar até o âmago dessa paixão. Brilhantemente escrito, o roteiro possui como maior dos méritos sua veracidade. Repleto de diálogos verossímeis, somos levados por essa caminhada doce e detalhada onde apaixonar-se é inevitável. 

Com o amanhecer, o quebrantado coração pela dor da despedida somente é reconfortado pela promessa de um “até breve”, que viria somente nove anos depois. A segunda parte da trilogia, lançada em 2004, mostra o tão esperado reencontro do casal dessa vez em Paris, a cidade do amor. Amadurecidos pela idade e vivência, ambos vivem suas vidas até que, unidos novamente por determinado tempo, precisam avaliar o risco de viver novamente essa paixão. Aos moldes de seu predecessor, Antes do Pôr do Sol permanece com os diálogos impecáveis e a química inquestionável dos protagonistas, mas todo o contexto se difere. Afinal, após uma década é inevitável tudo estar diferente. As responsabilidade, aspirações, sonhos e deveres mudaram, mas seria o amor forte o suficiente para superar todo o resto?

Em 2013, Linklater termina sua trilogia de forma genial com o franco Antes da Meia-Noite. O casal protagonista está junto de férias com a família, cujo cenário é as ruínas da Grécia. A metalinguagem aqui é clara: assim como o Partenon, o casamento de ambos está se encaminhando para a ruína. Diferenças são inevitáveis e o encaminhamento para a separação parece certo. Mas o grau de realismo e a qualidade do roteiro fazem deste o clímax ideal para essa história. Conhecemos o casal por menos de 72 horas durante os três filmes, mas sabemos – desde Viena – que ali sempre existiram inconciliáveis discordâncias. Assim como o casal, insistimos nessa história, nesse amor, mesmo com as crises e diferenças. Não é sobre ter um final feliz, mas sim uma resolução real. E você já descobriu se toda história de amor possui três atos?

Trilogia Senhor dos Anéis:

O início do século XXI foi marcado por essa trilogia de números impressionantes: três filmes que totalizam quase 12 horas de duração, com 222 indicações e 136 prêmios – que incluem 17 estatuetas da Academia – e quase três bilhões de dólares em bilheteria. Peter Jackson foi o diretor responsável pela adaptação cinematográfica da obra de J. R. R. Tolkien, que levou o público a uma viagem pela encantadora e perigosa Terra Média, lar de elfos, anões, magos e hobbits. A riqueza de detalhes impressiona, tanto na precisão do roteiro adaptado quanto no design de produção e figurino magistralmente realizados, dando vida a imaginação dos fãs da saga.

Em 2001, iniciamos nossa jornada com o irretocável A Sociedade do Anel, filme que abriu as portas deste mundo mágico de forma brilhante. O elenco recheado de estrelas, some por detrás dos personagens com diálogos marcantes e frases imortalizadas em cena. A beleza do cenário paradisíaco da Nova Zelândia, não permite ao público perceber quando o ótimo uso dos efeitos especiais está em ação, o que faz com que o grau de imersão ultrapasse as barreiras das quase quatro horas de duração. O ritmo aqui nunca se perde, orquestrado pela inconfundível trilha sonora e direção precisa, o público mal vê a hora de voltar a Terra Média.

A continuação viria logo no ano seguinte, afinal os três filmes foram filmados simultaneamente na terra natal do diretor Peter Jackson (cuja qual desconfio cada vez mais ser a Terra Média). Em As Duas Torres vemos o desenrolar dos eventos de forma sequencial ao predecessor, mas com a apresentação de novos personagens e um enredo próprio. O acerto aqui foi tornar cada ato desta história, funcional como produção única, sem nunca perder a identidade da trilogia em sua totalidade. É a sequência ideal, repleta de subtramas que auxiliam o desenrolar da história e que ainda arranja tempo para nos presentear com a melhor sequência de batalha noturna de toda a história cinematográfica. Abismo de Helm um, batalha de Winterfell zero. 

No ano seguinte viria o magistral encerramento desta saudosa trilogia. O Retorno do Rei é imponente, longo (4h11min!), inigualável e indiscutivelmente belo. Todas as pontas soltas são perfeitamente amarradas, com preciosa dedicação. O cuidado com os detalhes faz o diretor abdicar do tempo e, sem a menor pressa, encaminhar o fim desta história com a devida grandeza. Mesmo do alto de seus 250 minutos, o ritmo nunca é vagaroso. Repleto de ação, a batalha por Gondor é o ponto alto desta produção de escala jamais alcançada por outrem. Mas o clímax de toda a trilogia fica para a destruição do famigerado Um Anel nas chamas das montanhas de Mordor. Impecável, o fim consegue emocionar a todo o público pela dor de se despedir desta preciosidade do cinema. Apenas épico em todos os sentidos da palavra.  

Trilogia De Volta Para o Futuro: 

Quem nunca quis um DeLorean atire a primeira pedra! A máquina do tempo mais inventiva da história do cinema é fruto da genial mente do diretor Robert Zemeckis, responsável por esta imortal trilogia. Há muito o que apreciar aqui: o elenco inteiramente comprometido com os personagens, as reviravoltas perfeitamente encaixadas neste roteiro irrepreensível, a direção competente e imersiva, tudo isso orquestrado por uma das trilhas sonoras mais famosas da história do cinema. Ao embarcar rumo ao passado de volta para o futuro e vice-versa, adentra-se também em uma jornada inesquecível repleta do mais puro sentimento aventuresco.

O primeiro longa foi lançado em 1985, tornando-se de forma instantânea um clássico. Responsável por apresentar os personagens e o enredo da saga, o filme não se perde com pormenores indo rapidamente rumo à aventura, dando tempo suficiente para se criar camadas aos protagonistas. A tensão aqui criada deixa o espectador completamente imerso na jornada, causando palpitações cada vez que chegamos próximos de perder tudo. Afinal, a precisão necessária para vir de volta para o futuro somente é comparável com o detalhamento coeso do roteiro e direção de Zemeckis. Eu ouvi um raio?

Extremamente complexa, a continuação chegaria aos cinemas quatro anos depois. Partindo do exato ponto de término de seu predecessor, o longa dessa vez nos leva rumo ao futuro para salvar o passado que na verdade é o presente do protagonista. Confuso? O diretor faz questão de explicar – sem se tornar demasiado expositivo – cada detalhe dessa nova jornada. A versão futurística é imaginativa e competente, não permitindo deixar-se datada apesar dos anos vindouros. Cenas memoráveis trazem para a sequência ainda mais elementos de aventura, como a incomparável perseguição pelas décadas e as intensas reviravoltas proporcionadas por um roteiro amplo e preciso.

 O que faltava para a trilogia se tornar ainda mais memorável? No último ato da trilogia, o diretor une elementos do faroeste clássico aos da ficção científica para amarrar todas as pontas soltas deixadas por seu predecessor. Menos complexo mas igualmente genial, o enredo leva o público em uma viagem pelos séculos rumo ao Velho Oeste norte-americano. A técnica indubitável de Zemeckis, torna o primeiro longa vivo novamente, com cenas semelhantes e enredo similar mas cada qual com suas próprias singularidades. O final gratificante é o ideal para uma trilogia memorável: emocionante e conclusivo, a história termina sem espaços para acréscimos futuros. A viagem no tempo até esse filme trintenário repleto de nostalgia, vai fazer você, assim como eu, desejar não vir de volta para o futuro. Cada vez mais estou certo que nasci na década errada. Alguém viu meu DeLorean?

Volto-me aos números. Estamos próximos do resultado final não é mesmo? Fiz algumas somas aqui rapidamente e a verdade é que já me perdi nas contas. Não faço ideia de quantas vezes já vi e revi esses nove filmes. A única certeza é que deu vontade de ver tudo novamente, com ou sem ordem específica. Ou isso merece uma lista? Lá vamos nós novamente…

Briann Ziarescki

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SideBarAd-Desk/Mob (custom)

MAIS LIDAS

Grave acidente é registrado no centro de Chapecó

Por volta das 11h40 da  manhã desta sexta-feira (30) um grave acidente foi registrado na rua Marechal Bormann, no centro de Chapecó. Conforme as...

VÍDEO: Terremoto no mar Egeu é sentido na Turquia e na Grécia

Um forte terremoto atingiu o Mar Egeu nesta sexta-feira (30) e foi sentido na Turquia e na Grécia. Pelo menos quatro pessoas morreram e...

Perita cruza investigações e descobre autor de ao menos 9 estupros no RS

Uma série de elementos encontrados em diferentes cenas de crime fez com que a perita criminal Grasiela Disegna, do Instituto Geral de Perícias do...

Três pessoas são presas por tráfico em Chapecó

Na quinta-feira (29), uma guarnição em rondas desconfiou de ocupantes de três ocupantes de um veículo, na rua José de Alencar no bairro São...
BaseAd-Desk
BaseAd-Mob
error: Conteúdo protegido!